Varican

 
Tendências no mercado de trabalho mundial


Prof. Marcos Coimbra
Professor Titular de Economia na Universidade Candido Mendes, Professor licenciado na UERJ e Conselheiro da ESG


A implantação de tecnologia de ponta, fruto da pesquisa básica e/ou aplicada, cada vez mais é intensiva de capital, poupadora de mão-de-obra, na medida em que utiliza maciçamente máquinas que substituem o homem. E o que é pior: eliminam postos de trabalho de boa qualidade, principalmente no setor secundário. Técnicas como a reengenharia procuram justificar demissões em massa, no afã de maximizar lucros, ao paroxismo, em todos os recantos.

Exige-se cada vez mais do trabalhador e paga-se cada vez menos, em termos reais. A terceirização, instrumento perverso utilizado para minimizar os custos das empresas e para extinguir encargos trabalhistas, é empregada em larga escala, em todos os setores. Nos países mais desenvolvidos, como Alemanha e Itália, o desemprego atinge percentuais bem acima de 10%. Porém, para atenuar os graves problemas sociais advindos, utilizam mecanismos como o seguro-desemprego, cujo valores são até mesmo superiores ao salário mínimo na maioria dos países do mundo. Com os valores recebidos sustentam sua famílias com dignidade, enquanto buscam uma colocação no mercado de trabalho.

A onda neoliberal, denominada de globalização, nada mais é do que um novo nome dado ao tradicional neocolonialismo. Procura, aos poucos, diminuir os direitos trabalhistas e as conquistas sociais adquiridas tão duramente ao longo dos tempos. Podemos citar como exemplo a diminuição dos chamados "benefícios" (pensões, aposentadorias, auxílio-desemprego e outros), com a desculpa de reduzir as despesas públicas, que no fundo só vem justificar a progressiva redução de tributos pagos pelas classes mais favorecidas e proporcionando maior folga ao pagamento de escorchantes taxas de juros, tanto a nível interno como externo.

E esta situação é repassada com contornos mais dramáticos aos países menos desenvolvidos, periféricos. Vejamos o caso do Brasil. Além de toda esta problemática, de ordem estrutural, o país ainda enfrenta óbices de caráter conjuntural, consubstanciados por uma "política" econômica, cuja variável meta é a estabilidade monetária, mas a custos elevados: elevada taxa de juros, abertura indiscriminada às importações; destruição da empresa nacional; dilapidação do patrimônio nacional; perda da soberania nacional; aniquilamento do Estado nacional soberano; e privatização selvagem. Daí o caos na saúde, educação, segurança e agricultura. O país é rico, mas o povo está cada vez mais pobre. Antigamente, o instrumento de mobilidade social vertical ascendente era a educação. Hoje, nem isto. Desta forma, comete-se o maior crime contra a população – principalmente a mais jovem – tirando-lhe a esperança.

Porém, há um paradoxo nesta equação apresentada. A tecnologia moderna garante mais produção; paralelamente, há menos empregos e salários aviltados, que farão surgir o conflito entre superprodução e subconsumo. Sem aumento real da renda pessoal disponível, haverá queda no consumo, aumento dos estoques e a conseqüente recessão da economia. Menor arrecadação, menos impostos, menos empregos. As autoridades mundiais devem repensar suas políticas, pois, caso contrário, poderão surgir graves conflitos sociais internos e enfrentamento entre minorias privilegiadas e hordas famintas. É urgente a reformulação do sistema financeiro internacional e construção de um novo acordo de "Breton Woods

A prioridade das autoridades brasileiras deve estar representada pela implementação de um projeto nacional de desenvolvimento, em que se persiga o pleno emprego dos fatores de produção, com remuneração do trabalho mais justa, reformulação do sistema financeiro internacional e construção de um novo acordo de "Breton Woods". A persistência em manter as medidas determinadas pelos "donos do mundo", por intermédio de seus agentes, em especial O Fundo Monetário Internacional (FMI) conduzirá o país, fatalmente, a um impasse de graves conseqüências. O que hoje é anunciado como altamente positivo, como o expressivo ingresso de investimentos diretos, caracterizado mais pela transferência de propriedade de empresas públicas e/ou privadas nacionais para empresas estrangeiras, amanhã vai revelar-se altamente danoso com o pagamento vultoso de lucros e dividendos, em valores expressivos. E, devido ao elevado grau de dependência da economia brasileira, qualquer abalo externo, como a elevação da taxa de juros nos EUA, ou uma desvalorização do índice Dow Jones, provocará danos graves ao nosso sistema econômico, com efeito multiplicador. 

A solução consiste justamente em fortalecer o mercado interno, com a adoção de políticas de incentivo à geração de empregos, acompanhadas de mais justa remuneração ao fator de produção trabalho, bem como o fortalecimento do Estado Nacional Soberano.


www.brasilsoberano.com.br


Artigo elaborado em 07.07.2000 para o Monitor Mercantil



Voltar